Como no universo paralelo dos gibis do Superman, futuros ministros parecem caricaturas dos antecessores nos governos Lula e Dilma.

O principal critério de Jair Bolsonaro para a composição de seu ministério tem sido escolher a dedo cidadãos que simbolizem o exato contrário de seus homólogos petistas. É absurdamente meticulosa até aqui a busca por perfis que sejam a imagem invertida dos nomes mais vistosos do PT nos governos Lula e Dilma. Uma espécie de Mundo Bizarro onde os petistas foram substituídos por personagens que são o seu oposto em tudo.
O Mundo Bizarro é um universo paralelo criado em 1960 pelo roteirista Otto Binder e o desenhista Wayne Boring, embora o Bizarro, o Super-Homem invertido, tenha aparecido pela primeira vez em um gibi do Superboy três anos antes. Cada um dos super-heróis e mesmo os vilões estão representados por um clone imperfeito seu, desprovidos de nobreza: tem a Bizarra (a Mulher-Maravilha Bizarra), o Batman Bizarro, o Lex Luthor Bizarro… O Super-Homem Bizarro não teme a criptonita; o Batman Bizarro usa um cinto de futilidades, cheio de pontas de cigarro; e a Bizarra é uma simplória que acha que o homem é superior à mulher. Soou familiar?

BIZARRO X SUPERMAN

Sem dúvida, a metáfora mais evidente com o Mundo Bizarro é a figura da futura ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, que claramente encarna uma versão caricaturesca da ocupante da pasta durante o governo Dilma, a deputada federal Maria do Rosário, do PT. Rosário tem sido, nos últimos anos, alvo dileto dos ataques mais vis da extrema-direita, que já utilizou inclusive sua filha adolescente para atingi-la. E Bolsonaro (Freud explica) caçou uma versão Bizarra de sua arqui-inimiga para o ministério: uma pessoa contra os Direitos Humanos na pasta dos Direitos Humanos.
Rosário quer garantir o atendimento às mulheres que abortaram na rede de saúde pública; Damares vai ressuscitar o Estatuto do Nascituro, que prevê “bolsa-estupro” para a mulher vítima de violência sexual que preferir ter o filho em vez de recorrer ao aborto legal. Professora, Rosário é a favor do estado laico; pastora evangélica e advogada, Damares diz, atentando contra a Constituição, que é hora de a igreja governar. Rosário é feminista; Damares é antifeminista e acha que o lugar da mulher é em casa, cozinhando e cuidando dos filhos (embora ela mesma tenha saído para trabalhar). Quer duas pessoas mais opostas do que essas?

A metáfora mais evidente com o Mundo Bizarro é a figura da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, caricatura da ocupante da pasta durante o governo Dilma, Maria do Rosário, do PT. Bolsonaro escolheu uma versão Bizarra de sua arqui-inimiga Rosário para o ministério

Na pasta do Meio Ambiente, Bolsonaro colocou a anti-Marina Silva, o anti-Carlos Minc: o advogado Ricardo Salles, do partido Novo, réu por crime ambiental, é um cético do aquecimento global que ataca os órgãos fiscalizadores do governo, como o Ibama e o ICMBio, e questiona os números do desmatamento, acusando todos de se mover “por ideologia”. Praticamente um ambientalista ao revés.
Escolhido por ser a tradução togada do antipetismo no país, Sérgio Moro, o Batman do Mundo Bizarro de Bolsonaro, é o justiceiro parcial, para quem a Justiça é uma balança viciada, que pende para um lado só. Um típico membro da Liga da Injustiça, a versão Bizarra da Liga da Justiça.

A LIGA DA INJUSTIÇA VERSÃO LEGO. FOTO: DIVULGAÇÃO

No Ministério das Relações Exteriores, o ultra-conservador Ernesto Araújo se mobiliza contra o “globalismo”, entendido por ele como uma doutrina econômica “pilotada pelo marxismo cultural” e que tem no “climatismo” um de seus dogmas. Dublê despreparado e delirante do ex-ministro Celso Amorim, Araújo promete uma cruzada anti-abortista (!) e anti-ideológica no Itamaraty. Ideologia nas Relações Exteriores só se for a sua.
E quem há de negar que Bolsonaro, o Bizarro-Mor, clone imperfeito do Super-Homem, é uma versão canhestra do líder popular encarnado por Lula? Um Lula do avesso, autoritário, intolerante, contra os movimentos sociais, armamentista, sabujo dos Estados Unidos, sem estofo, a favor da desigualdade social, da violência policial, de receber sem-terra a bala. Bizarro. O mais assustador é que um dos superpoderes do Superman invertido era produzir clones sem fim de si mesmo…
Nas histórias em quadrinhos da DC, o lema do Mundo Bizarro era: “Nós fazemos o oposto das coisas da Terra! Detestamos a beleza! Amamos a feiúra! É um crime grave fazer coisas perfeitas no Mundo Bizarro!”. Bem a propósito, o planeta de origem dos Bizarros, Htrae (Earth, Terra, ao contrário) é plano. Ou melhor, em formato de cubo. Qualquer semelhança não será mera coincidência.

O MUNDO BIZARRO É PLANO

Fonte: Cynara Menezes, no Socialista Morena

Anúncios