Documento alega que existe “correlação direta entre a nomeação” com ascensão de Mourão ao cargo de vice e afirma que houve nepotismo, já que o vice “exerce incontestável ascendência sobre a presidência do Banco do Brasil”.

Coluna da jornalista Mônica Bergamo, na edição desta quinta-feira (17) da Folha de S.Paulo, informa que uma ação popular foi protocolada pedindo que a Justiça barre a nomeação de Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), à assessoria especial da Presidência do Banco do Brasil (BB).
Blog do Rovai: A guerra Globo x Bolsonaro e a cobertura do filho do Mourão
Segundo a jornalista, a ação, protocolada na terça (15), será julgada pela 7ª Vara da Fazenda Pública do DF. O documento alega que existe “correlação direta entre a nomeação” com ascensão de Mourão ao cargo de vice e afirma que houve nepotismo, já que o vice “exerce incontestável ascendência sobre a presidência do Banco do Brasil”.
Após a repercussão negativa de sua promoção, Antônio Hamilton Rossell Mourão pensou em desistir do cargo, mas foi desencorajado pelo pai. “Eu disse pra ele: ‘Não, meu filho, isso aí é mérito seu e acabou, pô’”, disse o general em entrevista a Fábio Victor, publicada na quarta-feira (9), no site da revista Piauí.
Com a promoção, que aconteceu cinco dias depois de Mourão assumir a vice-presidência do Brasil, Antônio Hamilton vai triplicar o salário para exercer a mesma atividade, além de dar conselhos ao presidente do banco. Caso gerou revolta entre funcionários.

Fonte: Revista Fórum

Anúncios