Milicianos suspeitos pelo assassinato de Marielle foram homenageados por Flávio Bolsonaro

Um dos suspeitos recebeu de Flávio a medalha Tiradentes, principal honraria da Assembleia Legislativa.

Os dois principais alvos da Operação Intocáveis, deflagrada na manhã desta terça-feira (22), o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega e o major da PM Ronald Paulo Alves Pereira, foram homenageados, em 2003 e 2004, na Assembleia Legislativa do Rio, por indicação do deputado estadual Flávio Bolsonaro. Ele sempre teve ligações com policiais militares.
A operação é resultado de seis meses de investigações e é comandada pelo grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), com o apoio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil.
Os dois são suspeitos de integrar o Escritório do Crime, um grupo de extermínio que estaria envolvido no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL). O grupo é considerada a mais letal e secreta falange de pistoleiros da cidade, que agia no Rio das Pedras, Zona Oeste do Rio da Janeiro.
Medalha Tiradentes
O ex-capitão Adriano Magalhães da Nóbrega, que ainda não foi encontrado pela polícia, foi alvo de duas honrarias, de louvor e congratulações por serviços prestados à corporação.
A primeira delas é uma moção, que ocorreu em outubro de 2003, por comandar um patrulhamento tático-móvel, quando estava no 16º BPM (Olaria). Na época, o militar era primeiro-tenente. O texto da moção de número 2.650/2003 dizia que ele era homenageado “pelos inúmeros serviços prestados à sociedade”. A segunda, em agosto de 2005, foi a medalha Tiradentes, principal honraria da Assembleia Legislativa, também com elogios à carreira do então militar.
Flávio Bolsonaro justificou o ato: “no decorrer de sua carreira, atuou direta e indiretamente em ações promotoras de segurança e tranquilidade para a sociedade, recebendo vários elogios curriculares consignados em seus assentamentos funcionais. Imbuído de espírito comunitário, o que sempre pautou sua vida profissional, atua no cumprimento do seu dever de policial militar no atendimento ao cidadão. É com sentimento de orgulho e satisfação que presto esta homenagem”.
Investigado por homicídio
Já o major Ronald Paulo Alves Pereira, um dos presos na manhã desta terça-feira, ganhou, em 2004, moção honrosa proposta por Flávio Bolsonaro. A moção de número 3.480 foi de louvor e congratulações pelos serviços prestados por ele, que na época estava no 22º BPM (Maré).
O major recebeu a homenagem menos de um ano depois de estar sendo investigado como um dos autores da chacina de cinco jovens na antiga boate Via Show, em São João de Meriti, em 6 de dezembro de 2003. Quatro policiais já foram condenados pelos quatro homicídios de jovens que foram sequestrados pelos agentes da casa de show. O único agente que ainda responde pelo crime é o oficial, que conseguiu postergar seu julgamento até hoje. O júri de Ronald está marcado para abril.

Com informações do Globo

Fonte: Revista Fórum

Um comentário sobre “Milicianos suspeitos pelo assassinato de Marielle foram homenageados por Flávio Bolsonaro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s