Viralizou pelo ridículo: Com o intuito de desqualificar o trabalho jornalístico de Ancelmo Gois, o ministro da Educação adotou uma linguagem um tanto quanto bolsonarista e chegou a citar supostas relações do jornalista com a União Soviética e o serviço secreto comunista.

O Ministério da Educação (MEC) divulgou em suas páginas oficiais nas redes sociais, nesta quarta-feira (30), uma nota em que adota um linguajar bolsonarista que chega a citar o antigo serviço secreto comunista, a KGB, e a União Soviética, para atacar o jornalista Ancelmo Gois, do jornal O Globo.
A nota informa que o Instituto Nacional de Ensino de Surdos (Ines) abriu uma sindicância para apurar o sumiço dos vídeos sobre a esquerda da TV Ines, primeiro canal de TV público para surdos. O caso, noticiado por Ancelmo Gois, foi destrinchado em uma reportagem na Fórum.
De acordo com depoimentos de estudantes e alunos ouvidos pela Fórum, a retirada dos vídeos teria influência do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, um admirador de Olavo de Carvalho. A mesma possibilidade foi aventada por Gois e, no intuito de desqualificar seu trabalho, o MEC recorreu à retórica simplista anticomunista, típica do presidente da República, chegando a sugerir que Gois fosse um agente da KGB.
Durante sua vida como docente, o ministro da Educação sempre ensinou e defendeu a pluralidade e o debate de ideias, recusando-se a adotar métodos de manipulação da informação, desaparecimentos de pessoas e de objetos, que eram próprios de organizações como a KGB, que na década de 60, quando da sua fuga do Brasil para a Rússia, protegeu e forneceu identidade falsa para o colunista de O Globo”, diz a nota, que prossegue com mais associações ao comunismo.
Pelo ridículo exposto, a postagem do MEC viralizou em pouco tempo.
Confira.

https://web.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fweb.facebook.com%2Fministeriodaeducacao%2Fposts%2F2076872749027195&width=500

Fonte: Revista Fórum

Anúncios