Em sua coluna na rádio Eldorado na manhã desta quarta-feira (13), pouco antes da alta de Jair Bolsonaro, a jornalista afirmou que o presidente tomaria sua “última dose de quimioterapia ao meio dia”; porta-voz do governo negou suspeitas de câncer.

A jornalista Eliane Cantanhêde, em um aparente ato falho, colocou ainda mais suspeitas na tese de que o presidente Jair Bolsonaro teria um câncer que estaria sendo encoberto pelo episódio da facada em setembro do ano passado. A possibilidade foi aventada pelo documentário “A Facada no Mito”, lançado em janeiro.

Em sua coluna na rádio Eldorado na manhã desta quarta-feira (13), antes da alta de Bolsonaro no hospital Albert Einstein, Cantanhêde informou que o presidente tomaria sua “última dose de quimioterapia” ao meio dia. O capitão da reserva deixou o hospital no início da tarde.

Oficialmente, os médicos do hospital informaram que Bolsonaro, antes da alta, tomaria a última dose de um antibiótico que fazia parte do tratamento para a pneumonia que contraiu na semana passada.

Logo após a alta, o porta-voz da presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse que “em nenhum momento houve suspeita pré-operatória ou durante a internação com relação a câncer”.

Confira, aos 8 minutos e 20 segundos do player abaixo, o momento em que Cantanhêde fala sobre a quimioterapia.

Fonte: Revista Fórum

Anúncios