“Ossos do edifício, essa crise já passou. Mas foi duro atender tanta formalidade. Será que posso ir de papete quando levar a reforma da Previdência pro Congresso?”

Nem consegui disfarçar que estava sendo obrigado a fazer aquilo. Mas foi uma exigência do Bebianno para ele sair numa boa.
Primeiro eu gravei uma mensagem do meu jeito. Mas ele não aprovou. Disse que eu não podia usar a camisa do Palmeiras e também não gostou do texto.
Aí ele mandou outro, eu botei um terno e gravei. Mas gravei com uma cara bem azeda, de quem está com o intestino preso. Nem disfarcei os olhos lendo o teleprompter.
Vou mostrar a diferença da mensagem dele e da minha:
O começo dele: “Comunico que, desde a semana passada, diferentes pontos de vista sobre questões relevantes trouxeram a necessidade de uma reavaliação. Avalio que pode ter havido incompreensões e questões mal entendidas de parte a parte, não sendo adequado pré-julgamento de qualquer natureza.
O meu começo: “Comunico que desde a semana passada a gente está no maior quebra-pau por causa da história dos candidatos laranjas. Aí o Carluxo entrou na briga, a gente chamou o cara de mentiroso e a coisa fedeu mais ainda“.
O meio dele: “Tenho que reconhecer a dedicação e comprometimento do senhor Gustavo Bebianno à frente da coordenação da campanha eleitoral em 2018. Seu trabalho foi importante para o nosso êxito. Agradeço ao senhor Gustavo pelo esforço e empenho quando exerceu a direção nacional do PSL e continuo acreditando na sua seriedade e qualidade do seu trabalho. Reconheço também sua dedicação e esforço durante o período que esteve no governo.
O meu meio: “Tenho que reconhecer que o Bebianno trabalhou à beça para a minha eleição. Se teve um puxa-saco esforçado, foi ele. O Bebianno que me levou para o Partido do Suco de Laranja, mas agora estou entendendo o motivo. Por causa disso ele ficou mais sujo que pau de galinheiro e vou ter que mandar o cara embora.”
O fim dele: “Como presidente da República comunico que, na data de hoje, tomei a decisão de exonerar o senhor ministro-chefe da Secretaria-Geral. Desejo ao senhor Gustavo Bebianno meus sinceros votos de sucesso em sua nova jornada.
O meu fim: “Meus filhos falaram que eu é que mando nessa porra toda e que eu tinha que exonerar o Bebianno, então: Esteje exonerado! Não me encha mais o saco e vá pra casa do c…aramba!
Bom Diário, são os ossos do edifício. Essa crise já foi. Vamos para a próxima!
Falando nisso, amanhã é dia de levar a proposta da reforma da Previdência para o Congresso. Vou de papete ou não?

@DiariodoBolso

Por José Roberto Torero, diario do bolso, bolsonaro

Anúncios