Celso de Mello vê “aparente prática criminosa” em fala de Weintraub pela prisão dos ministros do STF

Para o decano do Supremo, declaração de Abraham Weintraub é “gravíssima”. “Põe em evidência, além do seu destacado grau de incivilidade e de inaceitável grosseria, que tal afirmação configuraria possível delito contra a honra (como o crime de injúria)”, diz Celso de Mello em sua decisão que liberou o vídeo da reunião ministerial.

Celso de Mello e Abraham Weintraub
Celso de Mello e Abraham Weintraub (Foto: STF | ABR)

O ministro decano do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello afirmou nesta sexta-feira, 22, que vê “aparente prática criminosa” na fala do ministro da Educação, Abraham Weintraub, em reunião ministerial de 22 de abril, quando pediu a prisão dos ministros do STF.

O povo tá gritando por liberdade, ponto. Eu acho que é isso que a gente tá perdendo, tá perdendo mesmo. A ge… o povo tá querendo ver o que me trouxe até aqui. Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF. E é isso que me choca”, afirmou Weintraub.

A gente tá conversando com quem a gente tinha que lutar. A gente não tá sendo duro o bastante contra os privilégios, com o tamanho do Estado”, completou.

Para Celso de Mello, a declaração é “gravíssima”. Ele ainda disse que a fala de Weintraub  “põe em evidência, além do seu destacado grau de incivilidade e de inaceitável grosseria, que tal afirmação configuraria possível delito contra a honra (como o crime de injúria)”.

A declaração do ministro da Educação foi divulgada nesta sexta-feira, 22, pelo Supremo Tribunal Federal. O vídeo seria uma das provas de que Jair Bolsonaro buscou interferir na Polícia Federal. A denúncia foi feita pelo ex-ministro Sergio Moro.

Leia a decisão do ministro Celso de Mello na íntegra:

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Anúncios