Por Vilemar Ferreira Costa


Segundo a Bíblia, Jesus nasceu em uma quebrada. Periferia da periferia mesmo. Passou a vida arrumando confusão por questões sociais. Mas além de ativista, aproveitava a vida. Ia à festas, curtia um vinho, admirava a beleza e o privilégio que é estar vivo.

Defendeu ASSASSINOS, ADÚLTERA, LADRÃO, PUTA, POBRE E LEPROSO. Denunciava a ELITE ECONÔMICA, RELIGIOSA E POLÍTICA.

Juntou uma galera pra defender a causa. Começou a fazer barulho. Conquistou o desafeto da classe média e da elite (ponto pro cara!).
Considerado subversivo, foi preso pelo império. A classe média pedia pena de morte, mas o crime não a justificava. Pôncio Pilatos jogou o B.O pra Herodes. Herodes se ligou na mesma coisa e devolveu o B.O. Pilatos deixou a galera decidir. Bem pensado, porque desde aquele tempo, o povo já tava cheio de bolsominion linchador.

O cara FOI EXECUTADO ouvindo piadinha de justiceiro. E não foi morto ENTRE bandidos. Foi executado pelo Estado COMO bandido – subversivo, que, de fato, era.

Enfim, o Messias Cristão foi um sujeito pobre, de pele escura, nascido na perifa, engajado em questões sociais, executado como bandido pelo Estado sob os aplausos dos justiceiros reacionários. Poderia facilmente passar hoje como mais um ‘esquerdinha dos direitos humanos’.

Então, Jesus, se estiver lendo isso e pensando em voltar, fica esperto. Esses “cidadãos de bem”, que esperam a tua volta, vão te executar de novo, enquanto comem bacalhau e ovos de páscoa.

Anúncios