Alvo de inquérito do STF por suposto crime de racismo, o ministro da Educação, que pediu a prisão dos ministros do STF e chamou-os de “vagabundos”, se negou a falar e depôs por escrito na Polícia Federal. Na saída, foi carregado por apoiadores.

Ao lado de uma placa com as frases “fora comunismo” e “globalismo”, o ministro fez um breve discurso com um megafone: “A liberdade é a coisa mais importante numa democracia, a primeira coisa que vão tentar calar é a liberdade de expressão”.

(Foto: Reprodução)

O apoio dos bolsonaristas a Weintraub gerou aglomeração e quase nenhum deles usavam máscaras de proteção.
No depoimento, Weintraub ficou calado e entregou suas explicações por escrito. Ele é investigado por uma postagem de tom xenófobo contra os chineses. Ele havia tentado suspender o depoimento, mas o pedido foi negado pelo STF.
O ministro ainda é alvo de outro inquérito do Supremo, o que apura a máquina bolsonarista de fake news e ataques às instituições. Na fatídica reunião ministerial de 22 de abril, Weintraub disse que colocaria “os vagabundos” do STF na cadeia.

Vídeo incorporado

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Anúncios